serenidadeO nosso “piloto automático” impede-nos muitas vezes de observar as sensações tal como são, porque nos perdemos em pensamentos que elas nos despertam, isto é, ficamos a observar, a comentar, a julgar as consequências e os sintomas e as causas acabam por passar despercebidas. Para ultrapassar este desafio que ocorre durante a prática meditativa, podemos colocar uma espécie de etiqueta nas nossas observações, pensando numa palavra que descreva sumariamente a experiência daquele momento e utilizá-la quase como se fosse um mantra, até que surja uma nova sensação. Por exemplo se nos está a sentir alguma dor física podemos dizer “dor, dor”. Se nos está a chegar algum sentimento de raiva dizemos “raiva, raiva”. Com isto focamos a atenção na sensação de cada momento, sem nos apegarmos a ela, ficando sempre atentos à próxima sensação que surgir.