RELACIONAMENTOSinfo
 
 
Um serviço de coaching e mentoria para te ajudar a encontrar o relacionamento que faz sentido para ti ou a melhorar um relacionamento que já tens.
 
Sabe mais aqui.
anxiety 2019928 960 720
 
Já alguma vez sentiste aquela “depressão” de domingo à noite, só de pensar na semana que vai começar? Se sim, esse sentimento não desapareceu durante o sono, pois não? Como tal, ainda te sentes em crise durante a segunda-feira de manhã.

Isto significa que tu sofres do síndrome de segunda-feira. Mas está tudo bem, não te preocupes porque há solução para o teu problema!

Há muitas pessoas que ao domingo à noite começam a sentir alguma ansiedade quando começam a pensar que no outro dia têm de ir trabalhar e à segunda-feira acordam sem nenhuma vontade de enfrentar o dia e a semana. Embora possa parecer um problema fácil de resolver, na realidade isso é um grande sinal de alerta que alguma coisa não está bem na tua vida.

Se tu sentes isso, não deixes passar mais tempo. É muito importante que tomes medidas urgentes para reverter essa situação. O que essa ansiedade representa na realidade é que tu não estás conectado com a tua vida e não estás a aproveitar o teu tempo, de modo a explorares o teu potencial e a usufruir das oportunidades que a vida te dá. No fundo, é como se acordasses com a obrigação de fazer alguma coisa, sem entusiasmo e paixão.

Então o que fazer para eliminar essa sensação? Basta descobrires o que podes fazer para tornar a tua semana mais agradável, interessante e activa para ti, em função daquilo que são os teus sonhos, projetos e objetivos. Quando isso acontecer, estarás alinhado com o teu propósito e começarás a acordar na segunda-feira de manhã cheio de vida, energia e paixão, pronto para enfrentar a semana, com uma garra e determinação, absolutamente brutais.

Procura dentro de ti, porque vais encontrar alguma razão para aproveitares bem a tua semana e viveres a tua vida em pleno.
AUTOESTIMAinfo
 
 
Uma abordagem única que reune princípios filosóficos clássicos e milenares à mais modernas técnicas de desenvolvimento pessoal.

Sabe mais aqui
8
 

Consciente ou inconscientemente, buscamos a supressão das nossas necessidades mais básicas que dependem da nossa personalidade.

A nossa personalidade é influenciada por fatores sociais, psicológicos mas também biológicos.

Resumidamente, podemos dizer todos vimos equipados com 4 funções básicas: a mental, a intuitiva, a sensitiva e a emocional. A forma como estas funções evoluem e o modo como se conjugam é muito pessoal e particular em cada indivíduo, e determina a nossa personalidade. Cada tipo psicológico tem associadas necessidades específicas e a sua satisfação é bastante valorizada por nós. Por exemplo, as pessoas mais intuitivas valorizam o reconhecimento pessoal, as que são mentais apreciam a segurança e a estabilidade, as mais sensitivas estimam a aventura e a variedade e as pessoas emocionais valorizam mais as ligações aos outros e o afeto. A fonte principal dos nossos desejos está diretamente relacionada com essas necessidades.

Ora, como eu dizia no início, buscamos consciente ou inconscientemente a supressão das nossas necessidades.

Ao longo da vida, vamos desenvolvendo estratégias para fazer isso e aprendemos formas para conseguir esta satisfação que procuramos, criando modelos que acabam por se automatizar.

Quando o fazemos inconscientemente, acabamos por fazer as coisas sempre da mesma maneira e por isso caímos tantas vezes em ciclos que se repetem.

Por exemplo, uma criança que tem necessidade de afeto do pai pode vir a desenvolver na idade adulta um padrão de busca da satisfação dessa necessidade com indivíduos a quem atribui algumas características semelhantes ao progenitor. E, como o procedimento é automático, buscará sempre os mesmos padrões conduzindo os processos de forma similar, obtendo assim os mesmos resultados.

Como os processos são tão inconscientes e involuntários, criamos a ilusão de que se tentarmos outra vez, já vamos conseguir. Geramos a expectativa de que o caminho que conhecemos vai resultar na satisfação da necessidade que procuramos incessantemente. É possível que alguma vez tenha resultado e que seja isso que te leve a fazer sempre da mesma maneira e a gerar expectativas animadoras. É o caminho que conheces.

Repito que isto acontece de forma inconsciente.

A forma de ultrapassar estes ciclos é – conscientemente – provocar mudanças nos processos. Buscar voluntariamente situações diferentes, com pessoas diferentes, mas que tenham o potencial de satisfazer as mesmas necessidades. Com isto vais educar o teu inconsciente a quebrar os automatismos e a encontrar soluções fora da caixa.

6

 

Sim. O que não nos mata torna-nos mais fortes. Em princípio.

No oriente apreciam muito uma planta que é a flor de lótus que nasce em terrenos lamacentos. Sem lama não lá lótus.

Na verdade, a dor encerra em si mesma um enorme potencial de transformação, porque nos traz a motivação que muitas vezes precisamos para agir. O que nos motiva é simplesmente fugir da dor e buscar o prazer. Mas o peso da dor tem muito mais força.

Não escondo que tenho um grande apreço pela filosofia budista e ela começa precisamente com as 4 nobres verdades que no fundo são ensinamentos sobre a dor e a insatisfação que se transformam em sofrimento. E foi a partir dai que nasceu o budismo, como busca para a supressão da dor. Buda acreditava que a ausência de sofrimento resultaria em felicidade.

Mas para ser mais claro na resposta, a dor traz então um potencial de transformação, de crescimento pessoal, de evolução e isso torna-nos mais fortes porque nos obriga a mover e a mudar.

Acredito que a vida é um permanente ciclo de mudanças e de transformações que nos amadurece e é isso que nos torna mais fortes.

Ao ultrapassar a dor podemos perder os medos, desenvolver crenças potenciadoras e estratégias para ultrapassar o sofrimento, de modo tentar evitá-lo.

Esta imunidade ao sofrimento é um sinal de força e tem associada a capacidade de ser resiliente, ou seja, de ser resistente ao sofrimento.

Porém, a dor só tem esse potencial transformador se a enfrentarmos. Há pessoas que buscam incessantemente o prazer e que evitam a dor a todo o custo. Estas, quando confrontadas com situações dolorosas, paralisam e desistem – porque acreditam que não são capazes de a ultrapassar. E aí correm o risco de cair numa depressão, pelo menos enquanto a perceção da dor se mantiver ou durante o tempo necessário para tomar a decisão de a resolver e enfrentar.

Em resumo, sim, o que não nos mata torna-nos mais fortes. Recordo sempre uma frase da Virgínia Mello: “Venho de tantas tempestades que até perdi o medo da chuva”.

Pág. 4 de 6