Deixa-me recordar-te o ciclo da Insuficiência, da Crença da Insuficiência. Começa com as Feridas Emocionais, depois sentes Culpa, crias uma Crença Limitante de Insuficiência (não sou suficientemente bom, não sou suficientemente capaz, não sou suficientemente merecedor), que, através do Medo te leva a um Comportamento Cauteloso.  Vais gerar Maus Resultados e, consequentemente, vais voltar a sentir as tais feridas emocionais do abandono, da rejeição, da humilhação, da traição e da injustiça.

É preciso quebrar este ciclo. Há 2 formas, claramente, de o tentarmos quebrar: achando que não temos solução - desencadeando tristeza e angústia, entramos em depressão e por aí fora - ou tentando compensar, de uma forma generalizada. Esforçamo-nos muito e caímos no perfecionismo, o tudo ou nada, multifoco, multiexpectativa, multitarefa, multitasking. 

Tudo isto leva novamente à sensação de insuficiência, que vai comprovar a crença de que tu não és suficientemente bom. 

É imprescindível quebrar este ciclo, e é por isso que eu coloco à tua disposição uma série de ferramentas, para que tu possas quebrar estas crenças de que “não sou suficientemente bom, não sou suficientemente capaz, não sou merecedor”.  

Mas atenção! É muito importante termos em conta alguns pontos, em relação a esta crença da insuficiência. É uma crença que afeta, literalmente, milhões de pessoas em todo o mundo. Há dias, estive a ver um vídeo da Marisa Peer, que fala sobre a Marilyn Monroe. Imagina a Marilyn Monroe, super-rica, super bonita, supertalentosa, super bem-sucedida. Ela sentia que não era suficientemente boa para ser amada. Então, tal como tu, tal como eu, muitas vezes, a grande maioria das pessoas em todo o mundo tem a crença da insuficiência. Elas sentem que não são suficientemente boas, capazes ou merecedoras. 

De todas as crenças, esta é a mais limitante e a mais grave. Também é provavelmente a principal causa de insucesso, insatisfação, frustração, insegurança, medo, autossabotagem, ansiedade e depressão. 

É um problema realmente muito sério, queria salientar-te isto, e tal como todas as crenças, ela é uma crença muito subtil, muito evasiva. Parece fácil de ultrapassar, mas depois, sub-repticiamente, volta-te a apanhar. Por isso, é preciso fazer um trabalho sério, para nos livrarmos desta crença.  

Não há uma cura milagrosa! Há dias, alguém me perguntava se havia uma meditação que pudéssemos utilizar para nos libertarmos desta crença. Eu não acredito que haja. Não há uma aspirina, não há um comprimido. No entanto, há uma série de coisas, há um processo que podemos fazer para nos libertarmos desta crença. 

Encara isto como uma grande missão, um grande desafio para ti, talvez até o grande desafio da tua vida. Tens de encarar este desafio com muita seriedade e perseverança, com muito cuidado e muita atenção, porque, eu volto a repetir, é uma crença muito sub-reptícia, ela volta a aparecer se não a eliminas. É como um cancro que deixa metástases e, a qualquer momento, volta a aparecer.  

Encara eliminar a crença da insuficiência como a maior batalha da tua vida. Senão, não vais conseguir ser bem-sucedido, não vais conseguir ter bons resultados, não vais conseguir ter bons relacionamentos, cumprir prazos, ter autodisciplina. Não vais conseguir deixar de te sabotar, de te sentir insatisfeito, ansioso, deprimido, de uma forma verdadeira.

Encara esta missão, de arrancar esta crença de dentro de ti, como a maior missão e o maior desafio da tua vida.

A boa notícia é que estamos juntos, e eu tenho aqui uma série de ferramentas para te ajudar neste desafio e nesta missão.  

Antes disso, deixa-me dizer-te então, como é que morre uma crença.  

As crenças não morrem, esse é que é o grande problema. Elas podem transformar-se, evoluir. A ideia é fazer com que essa crença, instalada dentro de ti, possa evoluir e transformar-se em alguma coisa positiva para ti.  

Essa transformação pode ser feita das seguintes formas:

- Resinificando cognitivamente, ou seja, interpretando os factos, que deram origem àquela crença, de uma outra forma. 

- Reinterpretando emocionalmente, ou seja, associar a esta reinterpretação novos sentimentos, novas emoções, que em vez de serem de bloqueio e de medo, sejam de possibilidade, de oportunidade e de amor. 

- Através de demonstração e evidência, ou seja, demonstrando a ti próprio que não é bem assim, que consegues alcançar aquilo que tu queres, que tu consegues aprender aquilo que tu queres e que sim, que tu és suficientemente bom para ser amado. Na verdade, há muitas pessoas que te amam e, se fores justo contigo mesmo, sobretudo, se começares a amar-te a ti próprio, vais imediatamente, encontrar uma data de outras pessoas que te começam a amar também. 

Mas então, transformar a crença é uma grande missão e nós temos aqui várias formas.

Isto é o que diz a teoria, em termos internacionais. 

Nós podemos transformá-las por repetição: repetição de novas ideias, de novos pensamentos e de novos sentimentos. 

Por grandes choques emocionais. Há muitas pessoas que mudam esta crença da insuficiência quando estão numa situação de quase morte, quando têm um grande acidente, quando sofrem uma grande doença, em que perante um choque emocional começam a interpretar as coisas de outra forma. Nós vamos utilizar algumas coisas com choque emocional, não com a gravidade de um acidente ou de uma doença quase mortal, mas vamos que te vão provocar choque emocional. 

Então, em termos de ferramentas, eu coloco à tua disposição, para trabalhares a crença da insuficiência, um conjunto de afirmações, meditações, reprogramações mentais e exercícios práticos, que tu podes fazer para criar novas evidências e novas realidades.  

As afirmações da gratidão; as afirmações positivas; as afirmações de amor e de sucesso; as afirmações do dinheiro e as afirmações para atingir bem-estar financeiro. 

Relativamente a meditações, há muitas: a meditação do amor bondade; a meditação da montanha; a meditação do lago; a meditação do autoperdão e a meditação do autoperdão. 

As reprogramações mentais são exercícios de PNL, que utilizam alguns conceitos que estão muito perto da auto-hipnose e são: a reconciliação; o processo de Dickens; o encontro com a missão; o encontro com o sonho; o poder matinal e a reprogramação da autoconfiança. 

Baseia-se num exercício que se chama Círculo de Excelência, para que tu possas reprogramar-te para teres mais confiança em ti, sobretudo nos momentos mais decisivos.  

Depois, em termos de exercícios, o exercício do Suficientemente Bom. É um exercício que te permite focar naquilo que é necessário, para que, a curto prazo te sintas bem contigo mesmo e para que comeces a produzir os primeiros resultados. Com base neles, vais criar a evidência de que afinal tu és suficientemente bom, afinal tu és suficientemente capaz e afinal tu consegues e podes.  

Depois, o Espelho Mágico. O espelho mágico consiste em olhar ao espelho e seres capaz de dizer: “Eu Amo-me e Aceito-me tal como Eu Sou”. É um exercício que tens de fazer com alguma frequência, pelo menos durante esta fase em que estamos a trabalhar ativamente a libertação das crenças limitantes, em particular a insuficiência: “Eu Amo-me e Aceito-me tal como Eu Sou”. Não é assim tão difícil dizer isto. Se não o conseguires dizer de uma forma natural, e que te pareça verdadeira, finge, até que possas atingir. Como dizia um velhinho: “finja, finja, até que atinja”.  

Definir a tua missão vai-te trazer, também, bastante clareza. 

Assim como a mudança de hábitos. Tens de mudar rotinas, hábitos, formas de fazer as coisas, para que, de facto, os resultados surjam, para que comeces a quebrar a crença da insuficiência e possas entrar num estado de poder pessoal.  

Aproveita estes exercícios, coloquei-os à tua disposição. Aproveita as meditações, as afirmações, as reprogramações, tudo isto está disponível. Tens de vencer a crença da insuficiência, a procrastinação e a autossabotagem. 

Eu chamo-te a atenção para teres consciência de que a tua crença está instalada dentro de ti. Ela sabe que estes exercícios são um ataque para ela própria, portanto, vai-se tentar defender. Vai-te pôr na tua mente, com mil e uma coisas para fazer, muito cansaço, muita fadiga, muitas ideias novas, muitas coisas para te distrair e para te levar para outro sítio, para te fazer sabotar. Isto é um processo de autossabotagem.  

Os exercícios estão disponíveis, mas, tu tens de dar esse passo. Com mais ou menos esforço, tens de os fazer. Estão distribuídos ao longo de várias semanas e vão-te trazer uma grande, grande, grande, grande transformação. Alcançarás, assim, a tua verdadeira essência!

Por outro lado, também, aproveita a tua insuficiência. “Como assim Emanuel, vou aproveitar a insuficiência?” Sim, aproveita a tua insuficiência. Aquilo que eu não tenho ainda, é o que ainda não consegui alcançar. Não é definitivo, a vida não vai terminar agora. Pensa que aquilo que ainda não és, ainda podes vir a ser. Se deres os passos, se caminhares em direção ao que queres - “eu posso fazer isso, e isto”, então, a crença da insuficiência vai alimentar, de alguma forma, a ambição e a motivação. Vai-te permitir agigantar e descobrir, dentro de ti, a força, a energia e a vitalidade, necessárias para fazer face às dificuldades que encontrares nessa caminhada. Não há caminhos sem dificuldades, todos os caminhos têm dificuldades. Mas aproveita esta dor da insuficiência como motivação, para que possas fazer o que tens de fazer, para alcançar o que tu queres ser. Tu ainda não estás pronto, não tens de te julgar. Eu vou repetir esta frase, que repito tantas vezes: Ao contrário do que a gente imagina, a gente não nasce pronto e vai-se gastando, a gente nasce não pronto e vai-se fazendo”. É uma frase de um filósofo e professor, brasileiro, o Mário Sérgio Cortella, de que eu gosto mesmo muito. Então, utiliza a insuficiência como força motriz, para que tu possas alcançar quem realmente és, para que tu possas ter a capacidade e a liberdade para fazer o que queres fazer e para que possas ser merecedor, realmente, de tudo aquilo que queres ter. 

Estamos juntos e vamos mudar esta crença da insuficiência, que tanto te tem limitado, ao longo da tua vida. Mas, volto a repetir. Eu coloquei as ferramentas à tua disposição, agora tens de ser tu a usá-las.