Este artigo vem responder a uma questão que muitas pessoas me colocam, que é “como é que eu me motivo, como é que eu gero automotivação”?  

De facto, há cada vez mais pessoas que não se conseguem manter motivadas, o que está relacionado com os pop-ups, as interferências que nós vamos tendo no nosso dia-a-dia: hoje queremos uma coisa, amanhã parece que outra é mais importante. Parece que há cada vez mais gente com mais iniciativa e muito pouca gente com acabativa, sabes? Há muita gente a começar coisas e há relativamente poucas pessoas a terminá-las. 

Então, aquilo que te leva a terminar e a alcançar, de facto, os teus objetivos é a motivação. A motivação para te manteres focado ao longo de todo o processo e vou agora falar-te sobre isso.  

Não querendo ter aqui um manual definitivo ou um passo-a-passo para conseguires construir automotivação, vou-te dar algumas dicas que te podem ser, sem dúvida, úteis para que possas gerar esta automotivação e mantê-la em alta. 

A primeira das dicas é: sonha! Sonha abertamente. Sonha aquilo que gostarias de alcançar, aquilo que gostarias de viver, aquilo que gostarias de sentir. Sonha com quem tu queres estar, as coisas que queres fazer e onde é que tu queres ir. Sonha, sobretudo, o que é que queres significar para os outros e convive com este teu sonho. Cria na tua mente uma visão clara daquilo que queres alcançar, o mais completa possível e imagina que já estás nesse ponto. Imagina aquilo que vês, ouves, sentes, as pessoas com quem te rodeias, os sítios onde estás e todas as coisas maravilhosas de que podes beneficiar, quando alcançares finalmente esse teu sonho. Cria uma visão na tua mente daquilo que queres alcançar, tão clara quanto possível, e revisita esta ideia, esta visão com a maior frequência possível. Eu recomendo até que, pelo menos numa fase inicial, faças isto diariamente. Durante alguns minutos, fechar os olhos e tentar entrar nesse mundo em que alcançaste os teus sonhos, os teus desejos e que possas beneficiar dessas energias positivas. Começar, também, a tua mente, o teu inconsciente, a trabalhar a teu favor e a construir caminhos para alcançar o que desejas. 

Então, depois de sonhar, é muito importante tornares o teu sonho real, mas antes que o teu sonho possa ser real lá fora, e de facto na tua vida prática, ele tem de ser real na tua vida mental. 

Por isso, eu recomendo que visualizes o teu sonho, esse quadro dos teus sonhos, com frequência na tua mente. Percebe porque é que ele é importante para ti, percebe porque é que essas coisas que estão no teu sonho, que fazem parte do teu sonho daquilo que gostarias de alcançar, daquilo que gostarias de ser, percebe porque é que essas coisas são importantes para ti. Liga-as às tuas causas, que são sempre fontes de grande energia, os teus valores, os teus reais motivos, os teus motivos mais profundos. 
Imagina o que vais sentir quando finalmente alcançares o que tanto desejas. Acredita que é possível e acredita, também, que se tu fizeres este exercício de tornares para ti, na tua mente, este sonho real, quase como se já o estivesses a viver e, se fizeres este exercício com frequência, tu vais começar a beneficiar de uma energia muito poderosa, que é a energia da pessoa em que te queres transformar, é o teu “eu” futuro! Podes começar a beneficiar já dessa energia, dessa pessoa poderosa, corajosa, determinada, dessa pessoa de sucesso que vais ser, quando alcançares o teu futuro. Antecipa esta energia para hoje e faz com que esta pessoa seja o teu melhor conselheiro, o teu melhor companheiro, a melhor versão de ti próprio, e podes beneficiar desta energia todos os dias. 

Então, continuando esta caminhada para criarmos mais automotivação, o passo que te sugeria a seguir é que assumas a responsabilidade. 
Eu sei que há circunstâncias da tua vida que são particularmente difíceis, se calhar a tua vida até dava um filme ou até mesmo uma telenovela, tantos meandros e tantas peripécias que te aconteceram, e continuam a acontecer, o que há no teu ambiente e nas circunstâncias da tua vida. 
Por muito dramática que seja a tua realidade, a verdade é que isso não importa. Não importa quais são as tuas circunstâncias, onde nasceste, quais são as dificuldades com que te deparas no dia-a-dia. Importa, sim, a forma como enfrentas essas circunstâncias e como superas essas dificuldades. 

Não fiques à espera que as mudanças venham de fora, que o mundo mude à tua volta para tu ficares melhor ou mais confortável. É uma responsabilidade tua! Tu é que tens de mudar! Se não assumires esta responsabilidade pela mudança, no máximo podes contar com mais dos mesmos resultados, de que se calhar não gostas tanto. Portanto, assume a responsabilidade! 
Ninguém te vai trazer felicidade numa bandeja, absolutamente verdade, ninguém te vai servir a felicidade. Tem de ser uma construção e uma responsabilidade tua. Por outro lado, prepara-te para o pior e compromete-te com o teu melhor. Prepara-te para as piores possibilidades, não em relação àquilo que queres fazer ou ao que podes fazer se as coisas correrem mal, porque isto levar-te-ia a estabelecer cenários (Plano B, plano C, plano D…). Não é isso que te estou a sugerir para fazer, é confia em ti próprio! Prepara-te para seres aquela pessoa que enfrenta as dificuldades, que naturalmente vão surgir. Por outro lado, compromete-te com o teu melhor, dia após dia. O sucesso é sempre pequenas coisas que são repetidas no dia-a-dia, portanto, compromete-te diariamente, a melhorares um dia atrás do outro, melhorares cada vez mais e transformares-te, tu mesmo, na melhor versão de ti próprio. 

O passo que te sugiro a seguir, para criares mais motivação, mais automotivação, é que tenhas consciência de ti próprio. Tem consciência das tuas necessidades, reconhece-as, reconhece as tuas vulnerabilidades, as tuas forças e as tuas fraquezas, reconhece os teus desejos, as tuas necessidades, quer pessoais quer sociais, reconhece os teus sonhos, os teus desejos, os teus pensamentos, os teus sentimentos, as tuas emoções. Reconhece os teus comportamentos, as tuas ações, os teus hábitos, as tuas rotinas, os padrões, em que te metes tantas vezes, e os sabotadores com os quais tu tens de lidar. Quanto mais te conheceres a ti próprio, melhor te poderás automotivar, todos os dias. 

Então, seguindo esta caminhada para a construção de mais automotivação, é também muito importante que removas os grandes ladrões, os grandes venenos da tua mente, e eu vou-te salientar aqui alguns, que são: 

- A culpa. Remove esse veneno da culpa, da tua mente. Tu não tens culpa que as coisas não tenham corrido como gostarias. Fizeste o melhor que podias, com as melhores das tuas possibilidades, todas as tuas possibilidades naquele momento. Fizeste as escolhas, assume então a responsabilidade por elas e faz com que novas coisas aconteçam no futuro. 
A culpa é muito orientada ao passado, que é uma fonte de informação apenas, mas o futuro está por fazer, a vida futura está por construir. Portanto, orienta-te a este futuro com responsabilidade e empenha-te pessoalmente na construção daquilo que queres alcançar.  Livra-te, então, da culpa. 

Da mesma maneira, livra-te também do ressentimento. É muito importante perdoarmos, libertarmo-nos das mágoas que os outros nos causaram. Para isto, é muito importante também compreender que quando os outros nos magoaram, independentemente do que tiver acontecido, provavelmente eles não nos quiseram magoar, não quiseram fazer por mal e se quiseram é pior ainda, é sinal de que eles também não estão muito bem com eles próprios. Portanto, liberta-te a ti próprio deste ressentimento que tens, em relação àquelas coisas que os outros te fizeram menos bem no passado e assume, também, agora aqui,  a responsabilidade de poderes, se calhar, tentar estar mais atento e tentares impedir, de alguma forma, que te voltem a magoar no futuro. 
Aproveita estes ressentimentos como fonte de aprendizagem, e não como fonte de bloqueio. Se não fores capaz de te libertar da culpa e do ressentimento, eles vão começar a fazer parte do teu dia a dia e vão-te retirar energia todos os dias. 

Da mesma maneira, outro sentimento que deves remover da tua mente é o sentimento de vergonha, por alguma coisa que tenhas feito, que não tenha sido aceite pelos outros. É muito importante, para ti, seres aceite pelas outras pessoas, sobretudo por aquelas que te dizem mais respeito e que estão mais próximas, se calhar. No entanto, mais importante ainda é que tenhas respeito por ti próprio, pelos teus valores, pelas tuas escolhas e iniciativas. 

Portanto, qualquer coisa que tenhas feito ou que tenhas desejo de fazer, não deves delimitar-te pela vergonha. Deves libertar-te desse sentimento e agir em conformidade com o que diz o teu inconsciente, com aquilo que diz a tua essência, se quiseres: os teus valores, as tuas crenças e os teus desejos. Desde que não prejudiques ninguém, assume as tuas preferências. 

Um outro sentimento, de que é muito importante nos libertarmos, se calhar um grande bicho da mente do ser humano, o grande feio da mente do ser humano, é o medo. 
O medo de que as coisas não corram bem, o medo de falhar, o medo de não ser suficiente, o medo de não ser capaz. 
Estes medos têm normalmente histórias muito dramáticas. Nós começamos a acreditar, contamos histórias a nós próprios sobre coisas que podem vir a acontecer e então receamos que isso, de facto, aconteça e se manifeste nas nossas vidas.  
Na verdade, quase nunca os nossos medos se manifestam. Hoje é um amanhã de que tiveste medo ontem e afinal está tudo bem. Os medos também têm uma grande fonte nas nossas crenças limitadoras; compreende que o medo não é um sentimento, de todo, mau. Ele tem um propósito, o propósito de te manter alerta, de te pôr ativo. Se tu utilizares o medo, e utilizares de uma forma positiva e proactiva, ele vai até ser uma fonte de energia para que possas avançar. 

Depois, outro dos grandes venenos da nossa mente, e sem dúvida também aquele que nos causa agonia e sofrimento, é o sentimento de ignorância. A vida não é o que nós conhecemos, há muito mais da vida para sabermos e aprendermos. Então, não te mantenhas na ignorância. Se estiveres perante uma situação tenta compreendê-la, tenta saber como outras pessoas lidaram com ela, tenta perceber vários pontos de vista, tenta adquirir conhecimento prático e específico sobre as diferentes situações do teu dia a dia. 
A grande origem do sofrimento do ser humano é não saber, ou ignorar completamente, quem ele próprio é e como é que pode lidar consigo mesmo. Portanto, liberta-te desta ignorância, mergulha dentro de ti, conhece-te a ti próprio, descobre aquilo que é possível descobrir da tua essência e semeia a tua própria existência à luz dos teus valores, das tuas crenças, daquilo que são os teus desejos. Para isso é preciso conhecimento, esta é a grande chave para que tu possas, de facto, concretizar. 

O último dos grandes venenos da mente, de que eu te queria falar, é a ganância. Liberta-te também disso, liberta-te também desse desejo de acumular mais do que aquilo que necessitas, liberta-te deste desejo de ter mais do que alguém, de ser mais do que alguém, isso não existe! As melhores coisas da vida são muito pequenas e acredita que a vida só faz sentido, só faz verdadeiramente sentido, quando nós a orientamos ao serviço dos outros e a orientamos, também, para a geração de valor nas outras pessoas: isso é que nos traz a maior das satisfações, portanto liberta-te da ganância. 

Então, este capítulo era para falar sobre os venenos da mente de que gostaria que te libertasses e dar-te também algumas dicas, sobre como é que podes fazê-lo. Falamos da culpa, do ressentimento, da vergonha, do medo, da ignorância e da ganância. Estes sete feios da mente humana que tanto nos bloqueiam. Tanto a nível das perceções, da forma como nós percebemos o nosso mundo, quanto da forma como tomamos as nossas decisões. Liberta-te destas energias negativas, para que possas viver motivado e com mais confiança e determinação. 

A próxima dica para alimentares a tua automotivação é tu alimentares a positividade. Alimenta-te de energias positivas. Aprende a focar a tua mente naquilo que tu queres construir e não naquilo que queres evitar. Isto é muito importante! Eu até vou repetir: aprende a focar a tua mente naquilo que tu queres construir e não naquilo que queres evitar. Isto é importante porque, segundo o que nos diz o Tony Robbins e eu acredito perfeitamente, “para onde vai o foco a energia flui”. A energia flui para onde pões o teu foco. Então, se tu pões o foco nas possibilidades, a tua energia vai ser orientada para as possibilidades positivas. Se pões o foco nos teus limites e nas tuas dificuldades, então toda a energia vai ser orientada para alimentar essas mesmas dificuldades. 

A forma mais fácil que tens para manter a positividade é praticares a gratidão. Agradece pelo muito que tens, em vez de te queixares pelo pouco que te falta e começa a observar nas pequenas coisas fontes de beleza, fontes de positividade. Há tanta coisa à tua volta pela qual podes, de facto, agradecer, a que muitas vezes não prestas atenção e que são grandes fontes de energia positiva. 

É claro que para gerares automotivação também precisas de acreditar em ti e é claro que consegues! É claro que tu mereces! É claro que a felicidade é para ti. É claro que a concretização dos desejos é para ti! É claro que consegues, é claro que tu podes! 
Não tenhas a mínima dúvida disso, acredita em ti! Serve-te como exemplo dos pequenos sucessos que já foste acumulando, ao longo da tua vida. Tantas coisas que já superaste, tantas coisas que já foste capaz de alcançar, tantas coisas positivas que te aconteceram, até muitas vezes sem aparente interferência tua. Portanto, acredita em ti, acredita nestas possibilidades. 
Por outro lado, questiona as tuas crenças mais limitadoras, aquelas que te dizem que não és capaz, que não mereces, que não és suficiente… 
Questiona essas crenças. Questiona-as no nível do consciente e contraria-as, se calhar  produzindo afirmações contigo mesmo que tenham o valor oposto e o valor contrário, ou seja, acredita e cria mantras de que tu consegues, que és capaz, que mereces, que podes. Cria mantras que te abram a possibilidades e te afastem dos limites. 

Então, de seguida, o próximo ponto que eu gostaria de salientar para gerares mais automotivação é que faças a gestão da tua energia. 
Tu queres vibrar em energia positiva ou queres vibrar em energia negativa? 
É mesmo assim. Tem muito a ver com os pensamentos e com as coisas do diálogo interno. O que é que alimentas do teu diálogo interno. Se o teu diálogo interno é mais orientado para os problemas, para as dificuldades, é evidente que a energia, a tua energia vai fluir de uma forma negativa. 
Se a tua energia interna, se o teu pensamento e a tua expectativa interna for orientada para aquilo que queres alcançar, para os pequenos sucessos e para as coisas positivas do teu dia a dia, vais gerar energia positiva. 
Portanto, antes demais, escolhe que energia queres utilizar e de que energia queres beneficiar. 
Isto também tem reflexos a nível das neurociências, e mesmo a nível físico, porque este sentimento de positividade, esta positividade de que nos podemos alimentar, mantermo-nos ativos e orientados àquilo que gostaríamos de alcançar, ajuda o nosso corpo a produzir dopamina e serotonina, que são duas hormonas muito importantes para que possamos, então, beneficiar do máximo de energia. 
Por outro lado, ainda na gestão de energia, respeita os teus limites e faz uma coisa de cada vez. Eu sei que gostarias de ser um canivete suíço, de ter múltiplas funções e resolver múltiplos problemas a cada instante, mas não é possível! Tu tens um limite! Físico e cognitivo e até emocional e, portanto, deves respeitar este limite. Também deves procurar o equilíbrio, não deixar demasiado peso relativo num relacionamento, na carreira, numa determinada área da nossa vida. Tentar distribuir o peso relativo que as coisas têm por vários itens, por vários pontos. É uma forma eficaz de mantermos o equilíbrio. 
Por último, para gerires a tua energia aprende a dizer que não. Não faz mal nenhum dizeres que não, às vezes até fazes um favor às pessoas, mesmo sem saberes que o estás a fazer. Aprende a respeitar o teu espaço e a impor respeito ao teu espaço e à tua vontade. Não desperdices energia a fazer as coisas de uma forma contrariada. Se não tens vontade de fazer alguma coisa, simplesmente aprende a dizer que não. 

Para continuarmos esta jornada de construção da automotivação, o que eu te iria sugerir a seguir é que aprendas a ser capaz.  
Aprende a ser a pessoa que alcança, em vez de ser a pessoa que falha, aprende a gerar esta confiança em ti mesmo. A forma que tens para fazer isto é criar e estabelecer pequenos objetivos, que possas cumprir e, de facto, cumpri-los. Assumir os compromissos que possas cumprir e cumpri-los. 
Quando os cumprires, quando alcançares esses pequenos objetivos, aprende também a celebrar estas pequenas vitórias. Isto faz com que se segreguem uma série de hormonas de bem-estar, dentro do teu corpo. O teu organismo vai “viciar-se” nestas sensações do sucesso e vai querer mais, e portanto, progressivamente, vais poder pedir a ti próprio cada vez mais objetivos mais ambiciosos. 
Começa por passos pequenos e ensina à tua mente o prazer do sucesso, depois ela vai-te ajudar porque ela vai querer encontrar mais disso. 

Para continuarmos esta nossa caminhada de construção da nossa automotivação, muito importante também este passo que é manter o foco. 
Manter o foco não tem a ver com as coisas que decides fazer, não tem só a ver com isso, também tem a ver com tudo aquilo que tu decides não fazer. 
Portanto, define prioridades, sê realista em relação àquilo que consegues, de facto, realizar e mantém-te focado naquilo que é realmente importante para ti, em cada momento, e para perceberes o que é que realmente é importante para ti, em cada momento, liga isso aos objetivos que tens para a tua vida, aos sonhos que tens para a tua vida. 
De preferência, faz uma lista de objetivos para cada dia, objetivos diários, objetivos semanais, objetivos para um mês e objetivos para um ano. Cria prioridades, de forma a que possas manter o foco, que te possas manter focado numa coisa de cada vez. 
Por outro lado, define métricas, formas de medir os teus resultados e mede-os, mesmo, com frequência. É muito importante que faças autoavaliações ou que faças avaliações frequentes para perceberes se estás, de facto, orientado ao teu caminho, se estás, de facto, orientado àquilo que queres construir e se estás a progredir. Se não estiveres a progredir, terás a oportunidade de corrigir a tua rota; se estiveres a progredir, terás a maravilhosa oportunidade de celebrar estes pequenos sucessos. 

Continuando esta jornada de construção de automotivação, aquilo que eu te ia sugerir agora é que tu penses na tua rotina matinal. 

A maioria das pessoas acorda em modo ainda semiautomático e pega no telemóvel para ver as mensagens ou para ver as atualizações do Instagram, do WhatsApp e do Facebook. 
Não é a melhor forma de começar o dia, e tu sabes disso. Tira uns momentos para ti próprio, no início de cada dia. Cada dia é uma nova oportunidade de recomeçar, uma página em branco, uma nova oportunidade de conseguires alcançar coisas. 
Então, foca-te nesse dia. Foca-te no presente, visualiza dois ou três objetivos para cada dia. Nutre-te a ti próprio com a gratidão e aproveita alguns minutos ainda para respirar, para te manteres tranquilo, para alimentares também a tua confiança, a tua presença. Isto vai aumentar o teu envolvimento com o teu dia, a forma como o enfrentas e como te motivas. 
Para além da rotina matinal, precisamos também de estabelecer rotinas diárias. Estruturar o nosso dia a dia, libertarmo-nos daquilo que não interessa e, por outro lado também, mantermo-nos ativos e em movimento. Uma coisa que eu também costumo recomendar é diversificar atividades. Se tens de fazer sempre as mesmas coisas, podes fazê-las de forma diferente. 
Por exemplo, eu tenho de levar o meu filho todos os dias à escola, mas eu posso, tenho oportunidade de ir sempre por caminhos diferentes e parar em cafés diferentes ou observar coisas diferentes. Então, tentar diversificar o meu dia a dia. 
Portanto, por outro lado, ando sempre a expor-me a novas experiências, coisas novas, a enfrentar um pouco a zona do desconhecido, para aprender novas formas de estar, novos momentos, novas formas de viver e novas sensações que, provavelmente, eu não conheço. 
Muito importante também, diversificar as atividades do nosso dia a dia. 

Também é muito importante quebrares determinados padrões, para evitares determinados ladrões. Tu sabes que naquele sofá inofensivo e muito acolhedor, que tens na tua casa, está na verdade um gatilho para ficares horas a perder o teu tempo a navegar no Netflix e a fazer zapping. 
Tu sabes que esse tempo não te é útil e que aquele padrão é aquele gatilho que te leva a essa situação, então identifica estes padrões, para poderes evitar os ladrões da tua energia e do teu tempo. 
Depois, cria mantras, afirmações positivas, nutre-te a ti próprio de pensamentos e ideias positivas. É importante que cries mantras para dizeres a ti próprio, no dia a dia, para te encorajares. 

Não menos importante é tu recuperares energia, dispensares tempo para ti próprio, dispensares tempo para o prazer e para as coisas que te fazem sentir bem, para o ócio, para a convivência com a tua família, com os teus amigos e para o teu descanso. É muito importante que recarregues baterias e recuperes energia no dia a dia. É evidente que uma mente que não está recuperada, não está na totalidade das suas possibilidades, não pode estar na totalidade da sua automotivação. 

Para continuar esta caminhada da automotivação, também precisamos de nos juntar às pessoas certas. A qualidade das nossas vidas depende muito da qualidade das nossas relações. Portanto, tenta rodear-te de pessoas positivas, que sejam ativas, que acreditem em si mesmas e que superem obstáculos. Essas pessoas estão disponíveis no teu dia a dia, entre os teus amigos, entre os teus familiares, eventualmente até no teu ambiente de trabalho. 
Mas também estão disponíveis através das redes sociais. Por exemplo, no YouTube podes seguir youtubers ou bloggers que falam de uma forma enérgica, de uma forma positiva e que sejam boas referências para ti. Junta-te às pessoas certas, isto é uma forma muito importante de te superares a ti mesmo. Nós somos a média das 5 pessoas com quem convivemos, portanto escolhe-as bem! Escolhe pessoas positivas, ativas e pessoas que, de facto, se orientem para alcançarem os seus sucessos. 

Então, continuando esta mega maratona de construção da automotivação, eu sugeria-te agora que eguisses uma metodologia. De facto, qualquer que seja a dificuldade que estejas a enfrentar, já houve de certeza alguma pessoa que enfrentou e superou essa dificuldade. Procura informação sobre isso, procura perceber qual foi o processo, que ferramentas essa pessoa utilizou para superar as suas dificuldades. Estas ferramentas e esta metodologia vão-te permitir ter muito mais clareza, muito mais objetividade e que te orientes para resultados de uma forma previsível, mensurável e realista. Portanto, se quiseres automotivar-te, segue uma metodologia de automotivação. 

Por último, e para terminarmos este artigo sobre a geração de automotivação, eu dei-te aqui muitas dicas, muitas pistas, muitas chaves que podes começar a utilizar já hoje para, de facto, começares a motivar-te. No entanto, há alturas em que isto não é suficiente e, portanto, nessas alturas procura ajuda. 
Procura ajuda para definir metas, objetivos; para encontrar possibilidades, novas oportunidades; para gerir também as circunstâncias do teu ambiente, os teus problemas, os teus limites; para estruturar um processo de evolução, um processo de aprendizagem e para assumir compromissos. Sobretudo, para assumires compromissos contigo mesmo e com outras pessoas que te possam ajudar a superares-te, no teu dia a dia. 

Como sabes, eu sou Coach e tenho muita experiência a ajudar várias centenas de pessoas. Na minha página pessoal, podes ver alguns dos testemunhos delas e estou disponível para te ajudar a superar as tuas dificuldades, a criar um plano com objetivos concretos, definidos e a implementar as ações que são necessárias para que possas gerar mais automotivação pela própria ação. Também te posso ajudar a alcançar os resultados daquilo que gostarias de viver, que é a vida dos teus sonhos. 

Vamos mudar o mundo uma pessoa de cada vez e quem sabe não começamos pela tua.