Neste artigo, vou, falar-te de um paradigma muito interessante e que acontece, muitas vezes, nos processos de Coaching, que é: as pessoas chegam sem objetivos. O paradigma é descobrir qual é o objetivo, ou seja, o objetivo é descobrir qual é o objetivo final. 

Porque é que nos metemos nesta situação e porque é que isto acontece? Normalmente, isto é associado a pessoas que são mais dependentes emocionalmente e que, durante algum tempo, tiveram objetivos para si próprias que achavam que iam corresponder àquilo que seriam as expectativas dos outros para si. Ou seja, nós incorporarmos como objetivo as expectativas dos outros. 

Porque é que fazemos isto? Porque as pessoas mais emocionais têm necessidade de ligação, mais necessidade de afeto. Necessitam de alguma aceitação e alguma aprovação. Acabam por se anular a si próprias; orientarem as suas vidas, muitas vezes, em função das expectativas dos outros. Então, quando por alguma razão “as pessoas acordam”, porque o relacionamento acaba ou foi seriamente abalado, as pessoas ficam, muitas vezes, sem objetivos. Outro momento em que isto acontece é quando tu vives a tua vida em função não das expectativas mas das necessidades do outro, quando tu te tornas um cuidador do outro e ser cuidador do outro é o teu objetivo. Haverá um momento em que o outro, ou deixa de precisar dos teus cuidados, ou então os dispensa, ou então a vida acaba por os resolver. 

Então, são estas situações, em que nos encontramos sem objetivos. 

Um exemplo é quando, numa relação familiar, afetiva, íntima, conjugal, abdicamos dos nossos objetivos e tornamos como nossos objetivos as expectativas do outro. 

Outra situação é quando somos cuidadores do outro e o outro desaparece, que é o caso, por exemplo, das mães. Quando na puberdade os seus filhos saem de casa, sentem muitas vezes uma determinada sensação de vazio: “e agora o que é que eu faço?”. 

Também acontece, algumas vezes, quando as pessoas se reformam, tendo um relacionamento com o trabalho e com uma determinada rotina, que agora acabou, “e então e agora o que é que eu faço?”.  

Então, estar perante um momento em que nós não temos objetivo, é uma altura excelente para promover um quadro de mudança porque, se não há objetivos para desconstruir, é mais fácil nós construirmos objetivos que sejam honestos, sinceros, pessoais e que possam, de facto, fazer a diferença e ter um significado e um sentido, na vida daquela pessoa.  

Qual é o grande obstáculo a esta mudança? Porque é que não é claro quais são os objetivos que queremos alcançar? Porque nós pensamos nos objetivos como coisas, ou coisas que temos de fazer, ou que temos de alcançar, ou que queremos ter e orientamos a nossa visão a “o quê?”. Depois, quando começamos a vislumbrar o “o quê?” preocupamo-nos muito com o “como?”. “Mas como? Como é que eu vou conseguir alcançar este objetivo?” “Ah, se calhar é irrealista. Como, mas como é que eu posso fazer?” Esta linha de pensamento cria alguma complexidade, e neste processo quase nunca vais tocar no ponto fulcral para a geração da motivação, que é o “porquê?”. 

Então, porque é que tu vais fazer isso? Porque é que aquele é um objetivo teu? Porque é essa causa que te vai gerar a motivação necessária para alcançares o teu objetivo.  

Aquilo que eu sugiro, muitas vezes, é esquecer o que temos de fazer e o que queremos alcançar. Pensarmos, primeiro, porque é que queremos fazer o que quer que seja. Porque é que queremos alcançar algum objetivo e isto tem muito a ver com os valores, com as crenças também, mas sobretudo, com os valores, aquilo que é importante para cada pessoa. O ser humano só consegue ter, de facto, esta autodeterminação quando descobre alguma coisa pela qual estaria disponível para morrer, e, isso, tem muito a ver com as nossas causas mais profundas.  

Este problema de não ter objetivos é, na verdade, uma grande oportunidade. Não é um problema, é uma grande oportunidade de consolidarmos objetivos de uma forma pessoal, que sejam relevantes e significativos para nós. 

Portanto, quando o primeiro objetivo é descobrir os objetivos, eu acho isso excelente. Estes objetivos não são coisas que temos de fazer, mas causas que queremos ver manifestadas e realizadas. Quando procuramos as causas, fica sempre bem mais fácil descobrirmos quais são os nossos objetivos. 

Então, objetivo cumprido: o objetivo de perceber como é que se constroem objetivos. 

Espero que este tema tenha sido útil para ti. 

Estamos a mudar o mundo a uma pessoa de cada vez e estamos juntos!