Neste artigo vamos falar sobre motivação.

Porque é que isto é importante e como gerar motivação. O que é que realmente nos gera motivação?  

Muitas teorias em relação à motivação, e aquilo que te vou apresentar é uma forma mais simples de tu compreenderes a motivação e de compreenderes o que é que realmente nos motiva, o que é que realmente nos faz agir, e o que é que realmente é importante ter em conta para gerares motivação continua em ti mesmo e nas pessoas que te rodeiam.  

Antes de mais, eu gostava que tu percebesses que a palavra motivação tem em si própria 2 pontas. É um motivo que leva a agir. E de uma forma muito crua, muito simplista, só há duas coisas que nos levam a agir. E essas duas coisas são a dor ou o prazer. Não há mais nada. Nós só nos mexemos para resolver alguma dor ou para buscar algum prazer.  

Dito de outra forma, nós podemos motivarmo-nos por impulso, ou seja, por necessidades internas que nos geram uma tensão que exige ser resolvida (por exemplo eu tenho fome, preciso de comida), e, portanto, eu vou estar motivado; eu tenho um motivo para agir e. Se preciso de resolver qualquer problema que eu tenha, então isso vai-me ser um motivo suficiente para agir para evitar que o problema se mantenha. 

Por outro lado, há a questão da atração, e a atração tem a ver com os objetivos, com os sonhos e com os desejos; com aquilo que gostaríamos de alcançar e de alguma forma nos faria sentir mais realizados e mais nós próprios, mais completos.  

Também podes ver as coisas da seguinte forma: as necessidades são como que um empurrão para motivação, e a atração são uma espécie de magnetismo. 

Ou seja, por um lado há as necessidades, eu preciso de um emprego, portanto, eu suporto o meu patrão, eu faço o que o meu patrão me manda e, por outro lado, há a questão dos meus objetivos e a questão do magnetismo,  eu tenho uma visão de onde eu quero chegar, eu tenho uma visão do que é que eu quero alcançar, eu tenho uma visão sobre o que é que eu quero fazer, então isto funciona como um íman que me atrai e que me faz mover e que me faz estar sempre alegre e contente na busca da concretização deste meu projeto. 

Então vamos ver que necessidades são essas que nós precisamos de resolver. Há duas teorias importantes sobre a questão das necessidades que eu gostaria de te apresentar.

Primeiro as necessidades de Maslow. Abraham Maslow foi um dos pais fundadores da psicologia moderna, e chegou a esta pirâmide de necessidades. 

Num nível muito mais básico, estão as necessidades fisiológicas, as necessidades de sobrevivência, num segundo nível estão então, as necessidades de segurança: do corpo, do emprego, de recursos, da família, etc. 

Depois estão as necessidades de afeto e de relacionamento, portanto, aqui a questão da amizade, da família, a intimidade sexual.  

Depois estão as necessidades de estima e de confiança e de respeito. 

No topo da pirâmide estão as necessidades, da criatividade, da espontaneidade, da descoberta e manifestação de quem realmente somos.  

O interessante é que só pensamos nas necessidades de uma certa camada, quando as anteriores maioritariamente estão resolvidas. 

E há outra teoria muito interessante para mim que é o do Anthony Robbins. 

Já agora fazer um parêntese para te salientar esta frase brilhante que ele tem que diz que “Sorte é quando a preparação encontra a oportunidade”. Isto é absolutamente verdade. 

O Tony Robbins diz que o ser humano tem, sobretudo, seis necessidades, seis grandes necessidades, sendo que quatro delas são necessidades que ele chama do ego ou da psique, duas necessidades são aquilo que ele chama as necessidades espirituais, as necessidades superiores.  

Então as seis necessidades de Anthony Robbins são a certeza e conforto, a incerteza e variedade, reconhecimento ou relevância, amor e ligação, e depois as necessidades do espírito, são as necessidades de desenvolvimento pessoal e de contribuição para os outros.  

Percebemos que há uma ligação entre estas necessidades e a nossa personalidade. 

Em resumo então, é tão básico quanto isto, nós agimos, sobretudo, por dor ou por prazer. Estes são os dois grandes motivos para nós agirmos. Depois, agimos por satisfação de necessidades ou por alcance de objetivos, por atração dos objetivos, e então as nossas necessidades segundo o Anthony Robbins são estas seis, e segundo Abraham Maslow, que é uma pirâmide muito conhecida dos cinco níveis.