Vamos falar sobre resiliência. Essa capacidade de ser emocional e mentalmente forte.

Tenho a certeza de que este assunto te interessa. Por isso, vou-te dar 10 dicas práticas, para aumentares a tua resiliência imediatamente, para te tornares uma pessoa resiliente, o que quer dizer, para te tornares uma pessoa emocional e mentalmente forte.  

A resiliência, na física é a propriedade de um corpo recuperar a sua forma original, após sofrer um choque ou uma deformação. Na filosofia, no desenvolvimento pessoal, é exatamente a mesma coisa. A capacidade de uma pessoa superar, de recuperar das adversidades. É a capacidade de ser mental e psicologicamente forte, apesar dos acontecimentos poderem ser, eventualmente, mais negativos. Eu diria que a resiliência é, na verdade, a arte da perseverança.  

E como é que te podes tornar mais resiliente? Seguem, então, as 10 dicas para seres mental e psicologicamente mais forte, o que é a mesma coisa que dizer, seres mais resiliente.  

Dica nª 1: aprende a encarar as dificuldades como oportunidades. Procura soluções dentro dos teus problemas, procura o benefício dos desafios que estás a ultrapassar. Procura formas de crescer, de evoluir. Lembra-te que o nosso propósito, o grande propósito da nossa vida, é crescer e evoluir, e por isso, muitas vezes, as circunstâncias menos positivas, mais adversas da nossa vida são, na verdade, desafios para a nossa evolução mental, física e espiritual. Portanto, concentra-te nisso e aceita os imprevistos e os fracassos - há coisas que vão correr mal e isso faz parte dos processos de evolução. Não há nenhum processo de evolução que não tenha os seus fracassos. Não há nenhum sucesso que não tenha uma história de alguns fracassos. Isto ajuda-nos a fazer novas escolhas, a tomar novas conclusões, e esta aprendizagem é que nos leva ao sucesso. Lembra-te da grande máxima, da lei de Murphy: “o que há para correr mal vai correr mal, no pior momento possível”. Não há nada que possas fazer em relação a isso, a não ser aceitar as circunstâncias tais como elas são e aprender com elas. E lembra-te de que “quem não sabe fracassar, não merece o sucesso”, quem não conhece o sabor dos fracassos e a superação dos fracassos não merece alcançar o sucesso. Não há sucesso autêntico sem superação de fracassos. Esta é a mensagem mais importante que eu tenho para te dizer. Portanto, não te importes de fracassar, preocupa-te é de não fracassar, porque significa que não estás a agir, não estás a evoluir. Expande esta tua zona de conforto. Muitas vezes, colocamo-nos em dificuldades, em situações desafiantes para nós, em que parece que temos de empurrar os limites, e sim, isto é uma oportunidade de empurrarmos os limites e de conquistarmos novas oportunidades.  

Dica nº 2: adapta-te às mudanças. A única constante da vida é a mudança! E ao contrário do que tu possas pensar, não são os mais fortes que sobrevivem, são aqueles que se adaptam melhor às circunstâncias. A felicidade não depende das circunstâncias externas, mas sim da nossa capacidade de reagir positivamente a elas. Isto coloca-nos sempre este ónus, coloca-nos sempre esta responsabilidade de assumirmos esta competência e esta habilidade de nos adaptarmos às circunstâncias e de não nos apegarmos a circunstâncias passadas. No fundo, é aprender a ser mais flexível.  

Dica nº 3: procura estabilidade emocional. É muito importante a estabilidade emocional, mas não te esqueças de que a felicidade não é um estado de êxtase, nem de diversão permanente e, muito menos, de fluência absoluta de emoções positivas. As emoções negativas também fazem parte. Estou a dizer-te isto porque é muito importante que tenhas cuidado com este veneno, que é a preocupação excessiva pela felicidade. Há muitas pessoas que estão tão preocupadas em mostrar que são felizes, em produzir felicidade à força, que acabam por nem sequer perceber o que é que é isso da felicidade verdadeira e autêntica. Acabamos por encontrar ou procurar as causas da felicidade naquelas coisas que nos trazem efetivamente mais infelicidade. Aceita-te! Aceita-te tal como és. Ama-te e aceita-te tal como és e vais ver que isto vai fazer de ti, automaticamente, uma pessoa mais resiliente.  

Dica nº4: aceitar as emoções negativas. Já tinha ficado pendurado ali atrás. As emoções negativas não podem, nem devem, ser rejeitadas. Elas devem ser valorizadas, porque são fontes de informação importante de recolhermos e observarmos. É preciso escutar estas nossas emoções e as mensagens que elas trazem. É preciso escutar com muita atenção, para que possamos evoluir e sentirmo-nos mais seguros de nós próprios, mentalmente mais fortes, espiritualmente mais fortes, psicologicamente mais fortes, mais resilientes.  

Dica nº 5: forma física. Ter o controlo do teu corpo. É muito importante teres controlo do teu corpo, para que saibas com o que é que podes contar, quando estás perante os teus desafios. Quando a tua zona de conforto é maior, quando tu és mais forte fisicamente. Aconselho-te, então, exercício cardiovascular para aumentar a tua resistência, se sentes necessidade de aumentar a tua resistência física. E a prática de Yoga, por exemplo, para aumentar a flexibilidade e a adaptabilidade. Mexe-te! Mexe o teu corpo, faz qualquer coisa, nem que seja uma caminhada. Faz qualquer coisa, porque este movimento, por si só, já é uma fonte de emoções positivas e isso vai aumentar automaticamente a tua resiliência.  

Dica nº 6: foco nas soluções. Nós valorizamos muito os nossos problemas e, muitas vezes, esquecemo-nos da possibilidade das soluções, não é? Ficamos muito bloqueados a ruminar os nossos problemas, a queixarmo-nos, a sentirmo-nos pobres vítimas, etc. Lembra-te que um problema sem solução, simplesmente não é um problema, ele é um facto, é uma circunstância, portanto, tens de a ultrapassar contornando-a, não tens de resolver problemas que não têm solução. Então, foca-te ativamente nas soluções e isto é uma grande fonte de resiliência.  

Dica nº 7: vive no momento presente. As culpas e ressentimentos, vêm do passado, os medos são coisas do futuro, são em relação ao futuro e, muitas vezes, os medos que nós temos é de que as questões do passado se repitam. Abre-te a coisas novas, vive no momento presente, fica consciente de quem és e de quem estás, aqui e agora, e verás que tudo ficará muito mais claro. Vais poder tomar decisões e fazer escolhas com muito mais clareza.  

Isto vai ajudar-te, também, a avançar com a dica nº 8, que é: da persistência. Tão importante esta persistência. É a mais importante qualidade pessoal para o teu sucesso. O mais importante é que tu permaneças focado nas tuas metas, nos teus objetivos, que ultrapasses as desculpas e faças o que tens de fazer, para alcançar aquilo que tu queres alcançar. É muito, muito importante! 

Dica nº 9: positivismo realista. É muito importante sermos positivos e acreditarmos que as coisas nos vão correr bem, mas não sem esquecermos os perigos, isso é uma tolice. Não sem esquecer as circunstâncias externas a nós. É preciso ter uma visão clara de quais são os nossos pontos fortes e fracos, assim como as ameaças e as oportunidades, em termos externos. Temos de ser positivistas, mas realistas. 

A dica que eu te deixo, é uma dica estóica, que é: “combinar a expectativa positiva e otimista com uma clareza pessimista”. Os pessimistas parece que têm sempre mais clareza sobre o que pode correr mal, não é? Nós temos sempre muito mais clareza sobre o que pode correr mal, do que sobre o que pode correr bem. Vamos utilizar, então, ambas as energias e juntá-las para termos, assim, este positivismo realista. Confia em ti e que vais superar todas as situações e todas as dificuldades, e deixa que as circunstâncias fluam no sentido que têm de fluir. Fica focado nas possibilidades, ainda sem perder a capacidade critica. Não há nada mais idiota do que pensar que a vida vai ser cor-de-rosa e que, a partir de um determinado momento, há uma solução mágica para todos os teus problemas. Isso não existe! Mesmo que existisse, não seria assim tão benéfico para ti. Nós precisamos de desafio, para nos colocar em zona de expansão. Portanto, positivismo realista, nona dica.  

 

A décima e última, ou a penúltima, porque vais ver que há um bónus para ti, é abandonar. Abandonar as situações que já não interessam mais. Como dizia Fernando Pessoa: “abandonar as roupas usadas que tomaram a forma do corpo”. Abandonar as coisas que, se calhar, nos correram menos bem. Reconhecer que, muitas vezes, nós só podemos controlar as nossas ações e não podemos controlar as circunstâncias e que, às vezes, as circunstâncias têm um peso demasiado forte na formação de uma nova realidade. Portanto, em vez de ficar frustrado com isso, perceber quando é o momento de sair. Sair e abandonar o que não te está a fazer bem. Abandonar o velho é a condição inicial para conhecer e abrir a porta ao novo. Fazer as coisas sempre da mesma maneira, e esperar resultados diferentes, é a perfeita noção da insanidade, não te esqueças disso! 

Então, a dica extra que eu te queria deixar é uma máxima estóica, também presente na sabedoria chinesa, na sabedoria hindu, na sabedoria budista e, eventualmente, também na egípcia e outras civilizações ancestrais: “Espera pelo pior e faz pelo melhor.” É a única forma de nunca ficares frustrado. É esperares de ti, ou seja, fazeres por ti e esperar o pior das circunstâncias externas.  

Combinando isto, podemos resistir a qualquer coisa que nos possa correr menos bem; planos podem ruir a qualquer momento. Aliás, o Sun Tzu, o grande general chinês, na “Arte da Guerra” – o livro que ficou célebre, que hoje é utilizado em tantas áreas do conhecimento -, diz: “Não há nenhum plano que sobreviva ao campo de batalha.” Portanto, espera pelo pior e ficarás preparado para enfrentar qualquer dificuldade, mas não te foques nisso, foca-te em fazer pelo melhor e, quanto mais não seja, estar cada vez mais preparado para fazer face às dificuldades. Dica extra e algo tão importante. Inspira-te na força do teu propósito e inspira-te na força do sentido que queres dar à tua vida, do significado do legado que queres construir e inspira-te em algo maior do que tu, que te faça superar as dificuldades. Algo maior do que as peripécias em que nos envolvemos no nosso dia a dia. Lembra-te que a consistência é mais importante do que a velocidade, portanto, mais importante do que chegar rápido, é caminhar no sentido certo. 

Então vá, estamos juntos, estamos a mudar o mundo a uma pessoa de cada vez. E eu tenho a certeza de que estas dicas te podem tornar uma pessoa mais resiliente, psicológica e mentalmente mais forte, para fazer face aos desafios do dia-a-dia. E porque, de desafio em desafio, caminhamos rumo aos teus sonhos.